Início do conteúdo

20/06/2024

Observa Infância: apenas cerca de 30% das mães usuárias de internet no Brasil buscam por amamentação

Icict/Fiocruz


Levantamento do Comitê Gestor da Internet no Brasil realizado no final de 2023 indica que 84% da população do país tem acesso à internet. Mesmo diante desse número, apenas 34,5% das mães de crianças menores de cinco anos acessam a rede para se informar sobre amamentação, informa o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil de 2019 (Enani-2019), divulgado no início de junho.

A pesquisa inspirou o artigo Pesquisa mostra: mães buscam poucas informações sobre amamentação na internet, escrito pelo pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/Fiocruz) e coordenador do Observa Infância, Cristiano Boccolini, em parceria com o pediatra, membro da rede IBFAN e colunista da revista Crescer, Moises Chencinski. O texto, disponível no portal da Crescer, analisa as possíveis causas desse comportamento.  

Para Boccolini, o resultado da pesquisa surpreende. “Isso pode estar relacionado a questões importantes. A primeira se refere à parcela da população sem acesso à internet, muitas dessas mães podem estar no grupo que não tem acesso. Outro motivo seria a falta de uma cultura digital que as permita às mães buscar pelas informações sobre o tema na internet, há muita desinformação na rede. E por fim, podemos relacionar a uma falta de tempo mesmo”, afirma o pesquisador. “Quando lemos uma notícia na rede, nossa tendência é achar que todas as pessoas têm o mesmo nível de informação sobre amamentação”.

Chencinski ressalta a relevância das mídias sociais nesse contexto: mais de 60% da população tem acesso às principais plataformas, como WhatsApp, Instagram e Facebook. Ele acredita que o algoritmo pode estar influenciando a oferta de informações sobre amamentação e impactando a busca de conteúdos online pelas mães. “A entrega de informações com impulsionamento (pagas) pode ser feita pelas indústrias de produtos lácteos, mas dificilmente essa será uma estratégia adotada por quem produz conteúdos sobre amamentação”, explica o pediatra. “Aparentemente, precisamos ‘entregar’ mais (quantidade) e melhor (qualidade) e sem conflito de interesses, municiando todos de informações mais simples, diretas e atualizadas”, completa.

Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil de 2019

O Enani-2019 foi um inquérito populacional de base domiciliar realizado em uma amostra probabilística de crianças menores de 5 anos de idade distribuídas em 123 municípios dos 26 Estados da Federação e no Distrito Federal. Os dados foram coletados de fevereiro de 2019 a março de 2020, quando a pesquisa foi interrompida devido à pandemia de Covid-19. Foram estudadas 14.558 crianças. O Enani-2019 avaliou as práticas de aleitamento materno e consumo alimentar; estado nutricional antropométrico das crianças e das mães biológicas; e estado nutricional para micronutrientes.

Observa Infância

O Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância) é uma iniciativa de divulgação científica para levar ao conhecimento da sociedade dados e informações sobre a saúde de crianças de até 5 anos. O objetivo é ampliar o acesso à informação qualificada e facilitar a compreensão sobre dados obtidos junto a sistemas de informação nacionais.

As evidências científicas trabalhadas são resultado de investigações desenvolvidas pelos pesquisadores Patricia e Cristiano Boccolini no âmbito do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) e da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP), do Centro Arthur de Sá Earp Neto (Unifase). 

Voltar ao topo Voltar