Início do conteúdo

08/05/2018

Em parceria com o Inca, pesquisador da Fiocruz lança livro sobre câncer de mama

César Guerra Chevrand (COC/Fiocruz)


Parceria entre a Fundação Oswaldo Cruz e o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), o livro O controle do câncer de mama no Brasil: trajetórias e controvérsias será lançado no próximo Encontro às Quintas, no dia 10/5, às 10h, na sala 304 do Centro de Documentação em História da Saúde (CDHS), em Manguinhos (RJ).

A obra faz parte da série Depoimentos para a História do Controle do Câncer no Brasil, que tem o objetivo de recuperar a memória relacionada às ações contra o câncer no país, a partir de personagens que contribuíram para a elaboração ou a implementação de políticas, programas ou ações relacionadas ao controle da doença.

O evento de lançamento no CDHS terá a participação de Luiz Antonio Teixeira (COC/Fiocruz) e Ronaldo Corrêa Ferreira da Silva (Inca), que debaterão o tema com alunos e pesquisadores presentes. Coordenado pela pesquisadora Tânia Salgado Pimenta, o Encontro às Quintas é promovido pelo Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). 

Em entrevista ao portal da COC, o pesquisador Luiz Antonio Teixeira explicou como funciona a parceria com o Inca e falou sobre a importância de dedicar um livro de memórias ao tipo de câncer de maior incidência entre as brasileiras.

COC/Fiocruz: Como funciona a parceria entre a Fiocruz e o Inca no estudo da história do câncer?

Luiz Antonio Teixeira: A parceria entre a Casa de Oswaldo Cruz e o Inca é uma colaboração que existe desde 2007. Tornou-se formal em 2011 e hoje funciona de forma pouco formalizada, mais centrada na sinergia frente aos objetivos de educação, promoção e divulgação no âmbito da saúde existente nas instituições – levando em conta nossa experiência com os aspectos históricos relacionados à saúde e, em especial, ao câncer.

COC/Fiocruz: Qual a importância de se resgatar a memória das ações contra o câncer no país?

Luiz Antonio Teixeira: A importância desse resgate se dá no âmbito do resgate mais geral da memória e da história da saúde no Brasil e essa é uma especialidade da COC.

COC/Fiocruz: Por que a escolha do câncer de mama para este volume?

Luiz Antonio Teixeira: O livro O controle do câncer de mama no Brasil: trajetórias e controvérsias é o terceiro volume da série Depoimentos para a História do Controle do Câncer no Brasil, cujo objetivo é resgatar a memória relacionada às ações contra o câncer no país. Nos últimos anos tínhamos elaborado junto com o Inca dois volumes contendo depoimentos sobre as políticas direcionadas à doença, e sobre as iniciativas para o controle do câncer de colo de útero. Nada mais adequado do que tratarmos também o câncer de mama, pois é o tipo de câncer de maior incidência entre as brasileiras, podendo ser pensado como um dos principais problemas no âmbito da saúde da mulher.

COC/Fiocruz: Como foram selecionados e registrados os depoimentos?

Luiz Antonio Teixeira: A seleção dos depoentes se deu a partir da consulta a alguns especialistas sobre formadores de opinião e gestores de políticas e instituições direcionadas à doença. Os depoimentos foram feitos a partir de entrevistas gravadas e filmadas, de acordo com a metodologia da história oral, os preceitos técnicos adequados e em conformidade com o parecer do Comitê de Ética, que aprovou o projeto. Todos os depoentes, além de assinarem os termos de consentimento livre e esclarecido (TCLE), também assinaram documentos específicos de seção de direitos para a publicação do volume.

COC/Fiocruz: Que lições são possíveis de extrair dos depoimentos deste volume?

Luiz Antonio Teixeira: Diferentes aspectos dos depoimentos dão o que pensar, entre eles as controvérsias sobre o rastreamento mamográfico, a questão da qualidade da mamografia e as questões relacionadas às organizações de pacientes. No entanto, mais que lições queremos que esses depoimentos sejam a base para estudos analíticos que possam aprofundar os conhecimentos sobre essa importante temática.

Voltar ao topo Voltar